marau - rs
05/08 Qua
Sol o dia todo sem nuvens no céu. Noite de tempo aberto ainda sem nuvens.
12
24
marau - rs
06/08 Qui
Sol com algumas nuvens. Não chove.
12
25
marau - rs
07/08 Sex
Sol com algumas nuvens. Não chove.
12
25
marau - rs
08/08 Sáb
Sol com algumas nuvens. Não chove.
13
25
ATENDIMENTO
(54) 3342-1957 imprensa@stiamarau.com.br
Marau. 04 de Agosto de 2020.
DIREITOS DO TRABALHADOR


01/03/2013 - Assédio Moral

CARACTERIZAÇÃO
Assédio moral é qualquer conduta, ação ou omissão, por meio da qual qualquer pessoa no local de trabalho ofende, xinga, humilha, exclui, ironiza , desmoraliza, abusa, agride, enfim, ofende a dignidade, a integridade física ou mental de um trabalhador ou trabalhadora, de forma repetitiva e contínua, ameaçando seu emprego ou desestabilizando seu ambiente de trabalho.
 
QUAL É A IMPORTÂNCIA DE COMBATER O ASSÉDIO MORAL?
O trabalho ocupa uma função muito importante em nossa vida. Dedicamos boa parte do tempo a ele, criamos amizades e relacionamentos no trabalho, ele repercute em nossa melhora de condições financeiras sociais e também em nossa qualificação e autoestima. Dessa forma, é fundamental que o trabalho seja um local que promova a saúde e não o adoecimento do trabalhador.
 
QUEM É O ASSEDIADOR?
Qualquer pessoa no local de trabalho pode ser o assediador: seu chefe, superior, gerente, supervisor, colega, etc...
 
COMO OCORRE O ASSÉDIO MORAL?
O assédio moral pode acontecer por meio de gritos, insultos, palavrões, atitudes, ofensas, ironias, exclusão, etc...
 
EXEMPLOS:
Você é mesmo difícil... Não consegue aprender as coisas mais simples! Até uma criança faz isso... Só você não consegue!
É melhor você desistir! É muito difícil e isso é pra quem tem garra! Não é pra gente como você!
Não quer trabalhar... fique em casa! Lugar de doente é em casa! Quer ficar folgando... descansando... de férias, pra dormir até mais tarde...
Se você não quer trabalhar... Por que não dá lugar para outro?
Teu filho vai colocar comida em sua casa? Não pode sair! Escolha: ou trabalha ou toma conta do filho!
Lugar de doente é no Hospital... aqui é pra trabalhar.
Pessoas como você ... Está cheio aí fora!
Não posso ficar com você! A empresa precisa de quem dá produção! E você só atrapalha!
É melhor você pedir demissão... Você está doente... Está indo muito a médicos!
Para que você foi o médico? Que frescura é essa? Tá com frescura? Se quiser ir para casa de dia... Tem de trabalhar à noite!
Não existe lugar aqui para quem não quer trabalhar!
Você me enganou com seu currículo... Não sabe fazer metade do que colocou no papel.
Vou ter de arranjar alguém que tenha uma memória boa para trabalhar comigo, porque você... Esquece tudo!
A empresa não precisa de incompetentes iguais a você!
Ela faz confusão com tudo... é muito encrenqueira! É histérica! É mal casada! Não dormiu bem... É falta de ferro!
Vai ver que brigou com o marido!
 
O QUE O TRABALHADOR VÍTIMA DE ASSÉDIO DEVE FAZER?
Anotar com detalhes (hora, data, mês, local ou setor, nome do agressor, colegas que testemunharam e conteúdo da conversa);
Dar visibilidade à agressão, procurando ajuda dos colegas, principalmente aqueles que testemunharam o fato ou também já o sofreram;
Procurar seus superiores na empresa, relatar o que está acontecendo e pedir providências;
Evitar conversas com o agressor sem testemunha;
Exigir por escrito explicações ao agressor, e guardar cópia da sua eventual resposta;
Procurar seu sindicato e relatar o acontecido para: diretores, advogados ou médicos do sindicato; para o Ministério Público do trabalho; para a Superintendência Regional do Trabalho e Emprego;

REPARAÇÃO
Ao comprovar o assédio moral sofrido, o empregado terá direito à reparação pertinente aos danos morais em razão da conduta ilícita do ofensor, do exercício no regular de um direito (art. 186 e art. 187 do Novo Código Civil Brasileiro). O fundamento da reparidade pelo dano moral está em que, a par do patrimônio, o indivíduo é titular de direitos integrantes de sua personalidade, não podendo conformar-se à ordem jurídica em que sejam impunemente atingidos.
O trabalhador, ao buscar uma reparação na justiça, deverá considerar, principalmente, a gravidade, a repercussão da ofensa e a intensidade do seu sofrimento. A reparação deverá atender aos objetivospunitivo/ pedagógico/ reparador para coibir a reiteração dos atos faltosos do empregador e seus subordinados, preservando um ambiente de trabalho sadio. 


 
ONDE DENUNCIAR:
 
MINISTÉRIO PÚBLICO DO TRABALHO PROCURADORIA REGIONAL DO TRABALHO DA 4ª REGIÃO.